Escova elétrica VS manual

Existem no mercado inúmeras variedades de escovas dentárias e no momento da escolha de uma nova, poderão surgir algumas dúvidas. Vamos distinguir cada uma delas e suas características.

A escova elétrica apresenta uma cabeça de tamanho mais reduzido e executa movimentos de rotação e/ou vibração. Este menor tamanho é uma vantagem para pacientes com grande reflexo de vómito e a rotação uma mais valia especialmente em pacientes com menor destreza manual, fazendo com que não sejam necessários tantos movimentos. No entanto, é importante não “assumir” que devido a estes movimentos rotatórios a escova faz todo o trabalho por nós, a nossa mão continua a ter de colocar a escova no sítio certo, para que esta possa escovar devidamente a superfície que pretendemos. Algumas escovas elétricas têm ainda a vantagem de apresentar sensores de pressão, que fazem com que a escova pare ou emitem um som se uma força excessiva estiver a ser aplicada. Uma força excessiva pode resultar em recessões da gengiva ou até mesmo desgaste dentário, o que mais tarde pode originar hipersensibilidade dentária.

Nas escovas manuais, todos os movimentos são realizados pelo operador, existindo à disposição 3 tipos de dureza – “suave ou macia”, “média” e “dura”. A melhor opção será uma escova suave que não danifique as gengivas e o esmalte dentário. Uma escova “dura” só deverá ser utilizada para higienização de próteses dentárias. Esta é também uma opção menos dispendiosa comparando com a escova elétrica, mas tanto uma como outra deverão ser trocadas (no caso da escova elétrica apenas se troca a cabeça) a cada 3 meses, ou quando se verificar que as cerdas estão já muito dobradas.

Está provado que uma boa escovagem dentária se deve a uma técnica correta e não ao tipo de escova a utilizar, efetuando uma escovagem no mínimo 2x por dia durante cerca de 2 minutos e complementando com a utilização de fio dentário.

No entanto, não hesite em questionar o seu Médico Dentista ou Higienista Oral sobre este assunto – ele poderá ajudá-lo a encontrar a escova mais indicada para si!

Texto escrito por: Dra. Catarina Ameixa