DENTAID EXPERTISE

Para Profissionais de Odontologia

Lisboa foi eleita a cidade para receber, em 2015, o XXIV Congresso da Ordem dos Médicos Dentistas (OMD) que teve a participação de mais de 3 000 profissionais de saúde. Falámos com o Dr. Ricardo Oliveira Pinto, Presidente da Comissão Organizadora.

  1. Concluído o XXIV Congresso da OMD, qual o balanço global que faz do mesmo?

O balanço é excelente. O congresso da Ordem dos Médicos Dentistas registou uma grande afluência de congressistas, nomeadamente médicos dentistas mais jovens. Penso que houve um interesse generalizado no evento, com imensos colegas que não só aproveitaram para conhecer as mais recentes novidades das empresas ligadas ao setor da medicina dentária, mas também se mostraram muito interessados na programação científica, registando-se uma enorme participação nas palestras e formação prática. Considero que o novo modelo de discussão, que deu voz às diversas áreas científicas, foi uma aposta ganha, já que pela primeira vez houve uma maior interação entre conferencistas e congressistas. A Expo-Dentária continua a ser o sucesso a que já nos habituou nos últimos anos.

 

  1. O evento cumpriu com as suas expectativas iniciais?

Este foi um desafio, desde logo pelo espaço, que proporcionou aos profissionais de saúde oral melhores condições logísticas, hoteleiras, de restauração e infraestruturas, o que permitiu uma maior adesão ao Congresso. Portanto, as expectativas iniciais, que se caracterizavam por manter a qualidade das edições anteriores e acrescentar alguma jovialidade e dinâmica tecnológica, foram alcançadas e, pelos números, posso dizer que superadas. O empenho com que comissão organizadora e científica desenvolveram o programa e superaram os desafios logísticos deste congresso refletiu-se durante os dias do Congresso, em que vimos uma classe participativa, unida e interessada em diversos eventos. A dinâmica alcançada é resultado de meses de trabalho e da colaboração de uma vasta equipa. O feedback que tivemos foi excelente, pelo que não poderia estar mais satisfeito.

 

 

  1. Quantos participantes houve nesta edição e como é que este número compara com os anos anteriores?

Pelas contas da organização terão passado pelo MEO Arena mais de 3.600 congressistas. Em termos gerais, foram mais de 10 mil visitantes, o que é um recorde absoluto e até superámos os números do ano passado. Este ano, apostamos bastante na comunicação do evento, onde destaco os vídeos que efetuamos  com estudantes e médicos dentistas, o que permitiu estarmos mais próximos da classe e dos jovens.

 

 

  1. Se tivesse que referir os principais temas deste congresso, quais destacaria pela sua relevância?

O tema que destacaria neste congresso é a medicina dentária em todas as suas vertentes e áreas científicas. O nosso programa teve talvez uma das maiores presenças de conferencistas portugueses. A investigação e a medicina dentária portuguesa estão num patamar de excelência, reconhecido inclusive a nível internacional. Pelo que quisemos reunir o maior número de conferencistas nacionais para que cada um deixasse o seu testemunho. Como pela primeira vez introduzimos um modelo de discussão inovador, penso que conseguimos destacar de igual forma todas as áreas científicas. Naturalmente, os conferencistas internacionais atraem muitos congressistas, por serem oportunidades excecionais de assistir às suas palestras em território nacional. Tanto os nacionais como internacionais conseguiram encher as salas, o que é ótimo.

 

  1. Se tivesse de escolher um momento do congresso, qual seria?

É muito difícil eleger um único momento, pois foram tantos e todos dignos de registo. A criação de fóruns sobre diversas áreas científicas, em que a discussão de um determinado tema ganhou outra dinâmica merece destaque, bem como a inauguração da Expo-Dentária com um jogo de luzes e fogo-de-artifício, um momento inédito na maior feira de medicina dentária do país. Por outro lado, o concurso de fotografia de medicina dentária teve uma participação fantástica, em que registamos 19 participantes com 39 fotos a concurso. A exposição foi igualmente um sucesso, tendo contado com o contributo de 22 profissionais, oriundos de vários países. Destaque ainda para as apresentações científicas, em que nesta edição tivemos 108 pósteres e 14 comunicações orais. A Expo-Dentária teve um número recorde de visitas e os auditórios das conferências estiveram repletos em todas as sessões, bem como os cursos hands-on. Portanto, penso que o êxito do congresso se deve a vários momentos e não a um em particular.

 

 

  1. Como valoriza o papel das empresas que colaboraram na organização do XXIV congresso da OMD?

O papel dos parceiros e patrocinadores dos congressos da OMD, e não apenas desta edição, é essencial para a concretização dos nossos objetivos. Este ano, verificamos que as empresas presentes em edições anteriores ou mantiveram, ou aumentaram os espaços. Notamos também que algumas empresas participaram pela primeira vez. Esse investimento é encarado por nós como um voto de confiança no trabalho desenvolvido pela OMD, através das várias comissões organizadoras e científicas, que reconhecem que este congresso é o melhor espaço para divulgarem a sua atividade e inovações. É uma parceira que nos orgulha e que tem levado a bom porto os desafios que se colocam a cada edição do congresso da OMD.